quarta-feira, 4 de agosto de 2010






                                 UMA HISTÓRIA À MARGEM

*************************************************************************************
1 = A PRÉ HISTÓRIA

da orelha esquerda de Moisés

saltava um duende capenga

nas noites de lua nova

************************************************************************************************************

Esse foi meu primeiro poema, escrito e desenhado a caneta pilot num dos três cadernos de poesia escritos entre 1970 e 1971. De jogador de vôlei e futebol de salão pelo Fluminense até 67, a participante de grupos de estudos do movimento estudantil em
 68, a adepto dos filmes de Glauber e Godard no Cine Payssandu em 68 e 69, a vida se esvaía. A realidade, um espeto. O Ato Institucional nº 5, em dezembro de 1968, fechando o Congresso, tinha dado ao governo militar um poder ilimitado. Vivia-se em um estado de terror onde sua casa podia ser invadida a qualquer denúncia. Por causa de subversão,drogas ou simples reuniões. O clima de delação era estimulado por toda parte.

Do lado de fora, Woodstock explodia nas telas. Beats, hippies, Dylan, marchava contra a Guerra do Vietnã e o repressivo “american way of life”. Na França, Godard e os estudantes desafiavam às velhas estruturas do poder. O mundo de cabeça pra baixo e pernas para o ar. E eu, extático, vendo aquilo tudo com 17, 18 anos e querendo me comunicar.
 
video





Nenhum comentário:

Postar um comentário